Bruna: “A música é o meu lugar de terapia, de autocuidado, quero levar pra sempre comigo”
+Blog

Bruna Evaristo: um talento que desponta no Instituto Anelo

A pedido do professor Josimar Prince, como parte das atividades remotas do projeto Prática de Banda durante o período de quarentena determinado pelo governo estadual devido à pandemia no novo Coronavírus (Covid-19), a aluna Bruna Evaristo de Souza, de 25 anos, gravou um vídeo no qual interpreta “(Get Your Kicks On) Route 66”, clássica canção composta em 1946 por Bobby Troup e gravada pela primeira vez no mesmo ano pelo King Cole Trio, de Nat King Cole.

O vídeo emocionou Prince, para quem a aluna demonstra muito entusiasmo e vontade de cantar. “O contraste do cenário, que não é ideal, com aquela voz, com aquela cantada bonita, afinada, com suingue, a forma que ela canta, demonstrando alegria, ficou sensacional”, disse.

Prince compartilhou o vídeo, sem qualquer edição e música de fundo, com o coordenador geral do Instituto Anelo, Luccas Soares. Luccas, por sua vez, gostou tanto do que viu que enviou a gravação para o amigo e jornalista Marco Massiarelli, da Rádio CBN Campinas. Resultado: o vídeo de Bruna foi destaque no último dia 15 de abril na seção Boas Notícias no site da emissora, com texto assinado por Henrique Bueno sob o título “A beleza da música do Instituto Anelo”.

Bruna encarou esse destaque e a consequente repercussão como um sinal. “É isso o que quero para a minha vida. Uma moradora da periferia tem que agarrar as oportunidades”, afirmou Bruna, que atualmente está desempregada. Formada em Serviço Social pela Unip – Universidade Paulista, ela não conseguiu uma colocação na área e recentemente teve de fechar o brechó que montou com a irmã, Laine, chamado Brexó das Pretas. “Minha irmã saiu do brechó em janeiro e não consegui tocar sozinha.”

Para fazer as aulas no Instituto Anelo, ela tem total apoio da mãe, que paga as passagens de ônibus – Bruna mora no Residencial São Luís, bairro do distrito do Campo Grande que faz divisa com o município de Monte Mor. “Falta oportunidade aqui no bairro, não temos acesso a muitas coisas e a internet falha muito”, conta Bruna, que diz que, se um dia tiver de escolher entre dinheiro e satisfação pessoal, sempre procurará conciliar a música com o trabalho.

“A Bruna está dando um exemplo pra gente”, acredita Josimar Prince, para quem a aluna é uma prova de que o talento e a força de vontade superam todas as dificuldades. Um talento, aliás, que encontrou eco na Itália: por indicação do Anelo, Bruna passará a fazer aulas on-line com a compositora e cantora de jazz Susanna Stivali. Susanna, que já visitou o Instituto três vezes, é uma das professoras do Arcevia Jazz Feast, festival italiano que o Anelo participa desde 2015 e do qual se tornou parceiro.

Susanna conta que aceitou prontamente dar o curso online para Bruna por duas razões. A primeira porque, mesmo de longe, abraçou a causa do Anelo – ela mora em Roma. “Acredito que o Anelo se move através da música, através da abertura e da ajuda que dá aos jovens para se aproximarem da música da melhor maneira possível. Sou profundamente ligada ao Anelo por esse motivo. Luccas e todos os professores compreendem o que significa fazer música em grupo, de modo que a música se torne uma mensagem de arte e de um trabalho que passa uma mensagem de comunidade”, disse.

E completa: “Segundo porque assisti ao vídeo de Bruna, que me tocou com sua simplicidade e ao mesmo tempo com seu talento, com a naturalidade com a qual vive a música. Ela canta em inglês muito bem. Acredito que tenho uma grande possibilidade de ajudá-la de verdade. Esse é um exemplo de ajuda que se pode dar aos jovens que veem na música uma possibilidade de vida diferente. Estou muito feliz em poder ajudá-la”.

Bruna é fã de Leona Lewis, Jaloo e Emeli Sandé

RELAÇÃO COM A MÚSICA

Bruna é de Campinas e conta que sua relação com a música teve início em casa. Sua família por parte de mãe é toda evangélica, de forma que ela cresceu rodeada de tias e tios músicos. Como muitos artistas, principalmente das periferias, começou a cantar no coro da igreja, no caso, a Congregação Cristã do Brasil. “Era um coro bem tradicional”, lembra. Mas conta que se abriu para as possibilidades que a música secular oferece quando uma tia por parte de pai, chamada Maria Helena de Souza, se profissionalizou como cantora de samba.

“Quando saí da igreja, quis aprender a usar a minha voz, e em 2012 comecei a estudar no Anelo”, lembra Bruna. Porém, teve de parar com aulas pois mudou-se para Santos, onde morou por um ano para acompanhar o então marido, com quem casou-se muito jovem, aos 18 anos. Em 2019 voltou para o Anelo. “A música é o meu lugar de terapia, de autocuidado, quero levar pra sempre comigo”, afirma.

Musicalmente, diz que gosta de todos os estilos, até “modão” sertanejo. “Gosto de música que me toca.” Atualmente, conta que tem escutado muito Leona Lewis (cantora inglesa), Jaloo (cantor, compositor e DJ brasileiro) e Emeli Sandé (cantora e compositora escocesa). “Adoro Emeli Sandé, no momento é com quem me identifico mais”, revela.

Uma curiosidade: Bruna gravou o vídeo enviado ao professor Josimar Prince graças ao que aprendeu na agência de comunicação Mandinga de Favela, criada por jovens e educadores do Projeto Comunicaí, com apoio da Fundação Feac e do Instituto Padre Haroldo, e que funciona no Centro de Referência Quilombo Urbano OMG, no bairro Monte Cristo.

“O que eu sei sobre áudio e vídeo eu aprendi lá, que é usar o que se tem para se expressar”, conta Bruna, que teve a ideia de gravar o vídeo utilizando três aparelhos de telefone celular, sendo um dela, um da mãe e outro do pai. “Com um gravei o vídeo, com outro o áudio e com o outro usei o fone de ouvido para escutar a base da música.” A base da música foi gravada por Prince, que enviou o arquivo para Bruna. (Texto: Lalá Ruiz)

Assista abaixo ao vídeo de Bruna acompanhada por Josimar Prince: